Logotipo

A depressão dentro do espectro

Se você está se perguntando se um indivíduo com TEA pode ter um quadro de depressão a resposta é sim!

A forma de identificação da depressão em pessoas com TEA pode ser confundida com algumas características do próprio Transtorno do Espectro Autista, como, déficits em repertórios sociais, dificuldade em identificar e expressar emoções, o que dificulta o seu o diagnóstico da depressão. Devido ao indivíduo com TEA apresentar prejuízos significativos na área da comunicação, expressar estados de tristeza, desesperança ou desinteresse, pode ser muito difícil identificar quadros depressivos, sendo assim a identificação e o diagnostico se dão por meio de observações e análise dos relatos dos pais, responsáveis, cuidadores e professores, feitos por especialista em Análise do Comportamento.

Quando a depressão atinge indivíduos com TEA pode-se observar alguns dos comportamentos como: aumento na tristeza, choros excessivos, apatia, discurso negativo, além disso alguns indivíduos com TEA podem apresentar alteração no sono, peso, regressão em habilidades que já foram aprendidas, excesso de comportamentos repetitivos, comportamentos auto lesivos, preferencias por temas de morte e suicídio.

As manifestações de sintomas depressivos variam de acordo com a idade e nível de desenvolvimento. Segundo Sterling (2008) e Mazurek e Kanne (2010), foi possível analisar que indivíduos com menor nível de comprometimento, maior capacidade cognitiva, menor comprometimento social e idade mais avançada (jovens e adultos), apresentam mais sintomas de depressão se comparados a casos de indivíduos mais novos, com características mais graves do espectro, como mais comprometimento intelectual e social.

Muitas crianças e adolescentes com TEA são capazes de reconhecer diferenças entre si e seus pares, sendo assim quanto maior o nível de identificação dessas diferenças que esse indivíduo tiver, mais sintomas depressivos ele pode apresentar.

Quando o jovem ou adulto é acometido pela depressão precisamos ficar atentos, pois as manifestações dos sintomas podem ser mais graves (diminuição do autocuidado por exemplo) que podem produzir consequências no âmbito social, aumento de comportamento auto lesivo, sentimentos de inutilidade ou culpa e pensamentos recorrentes de morte.

É importante que seja feito uma linha de base dos comportamentos que o indivíduo com TEA apresenta, pois caso o indivíduo comece a apresentar alterações de comportamentos muito diferentes dos comportamentos da linha de base, pode ser um indicativo que aquela pessoa está com sintomas depressivos.

Segue abaixo alguns dos sinais e sintomas que podem estar presentes em pessoas com TEA que sofrem de depressão:

– Agressão

– Alterações de humor

– Hiperatividade

– Diminuição do funcionamento adaptativo ou do autocuidado

– Regressão de habilidades aprendidas anteriormente

– Maior compulsividade

– Mudanças nos sintomas autistas, incluindo aumento do comportamento estereotipado e diminuição do interesse em preocupações / interesses restritos

– Comportamento auto-lesivo

– Catatonia

– Mudança geral marcada no comportamento em relação à linha de base, não especificada pelas características acima.

Portanto devemos estar atentos aos sinais que o indivíduo com TEA nos dá, pois buscar um profissional capacitado o mais rápido possível irá permitir uma caracterização mais precisa dos sintomas e será possível traçar estratégias mais eficazes e iniciar com as intervenções médicas e psicoterapêuticas o mais breve possível, portanto, não deixe de procurar o especialista!

Referência:
Magnuson, K. M., & Constantino, J. N. (2011). Characterization of depression in children with autism spectrum disorders. Journal of developmental and behavioral pediatrics: JDBP, 32(4), 332–340. https://doi.org/10.1097/DBP.0b013e318213f56c

 

Bruna Ferrari

Psicóloga e Supervisora ABA – Grupo Conduzir

CRP 06/128536

 

-->
Grupo Conduzir ® Todos os direitos reservados | Feito com ♥ por CRIAH