• 5 fevereiro de 2021
  • admin
  • Blog

Ajudando pessoas com TEA durante férias

Especialmente durante a atual pandemia de COVID-19, parece ser difícil pensar que haja distinções entre o período de aulas e o de férias. Porém, mesmo que, nas duas situações, estejamos todos em casa, há um aspecto em especial que faz com que várias dificuldades sejam enfrentadas pelas famílias:

A MUDANÇA NA ROTINA

Se você é mãe ou pai de uma pessoa com autismo, deve entender sobre o que estamos falando aqui. Com a mudança de rotina (que às vezes ocorre de forma muito rápida), nossos meninos e meninas tendem, de forma geral, a ficar mais frustrados, e consequentemente, acabam apresentando mais problemas de comportamento. Veja, o que estamos destacando aqui é que problemas de comportamento acabam ocorrendo, de forma geral, como uma reação a dificuldades de uma pessoa em comunicar o que quer, ou em comunicar o que não quer.

 

Sempre quando algum familiar me fala sobre as dificuldades em lidar com essas mudanças de rotina, é possível enxergar diferentes graus de frustração. De um lado, a pessoa com TEA não consegue comunicar suas necessidades de forma produtiva; e, do outro,  as famílias se frustram por não conseguir atender essas necessidades. 

E se eu te dissesse que, através de pequenas estratégias, é possível reduzir problemas de comportamento que acontecem devido a mudanças de rotina? Neste artigo, vamos falar sobre duas coisas importantíssimas para atingir nossos objetivos: PREVISIBILIDADE e COMUNICAÇÃO FUNCIONAL. 

 

Previsibilidade
O primeiro importante aspecto para prevenir problemas de comportamento, nesse contexto, é trabalhar com o máximo de previsibilidade possível. 

— Exemplo —

Se já sabemos que vamos ter uma festa de aniversário daqui a um mês, ou o período de férias escolares, adicionamos ao calendário, e podemos fazer uma contagem regressiva juntos todos os dias, uma semana antes. Podemos fazer dessa contagem regressiva uma atividade, ou uma brincadeira. Podemos perguntar o que nosso filho(a) gostaria de fazer, e adicionar essas atividades ao longo do calendário. Vamos tentar? 

Para isso, você vai precisar de:
– 1 calendário;
– Fotos de atividades preferidas (que caibam no calendário)

 

Comunicação funcional
Quando falamos em comunicação funcional, estamos falando sobre como podemos ensinar nossos meninos e meninas a comunicar, de forma fácil e rápida, sobre suas necessidades. Imagine a seguinte situação: Você está numa festa de aniversário, a banda está tocando uma música que você gosta muito, mas você não consegue escutar ninguém falar. Se alguém te oferece um pedaço de bolo mostrando um pratinho com bolo para você, geralmente como você responderia?

 

                      A.   BALANÇANDO A CABEÇA                        B.   FAZENDO SINAL DE LEGAL           

 

Agora vamos pensar juntos:

1. Qual a resposta mais simples para aceitar ou recusar algo?
SIM e NÃO

2. Qual a forma mais fácil de dizer SIM ou NÃO?
Depende
Pode ser

                A.   Usando palavras                     B.   Mostrando um cartão                          C.   Usando gestos                  


Cada uma dessas formas de comunicação precisa ser ensinada a depender do repertório que seu filho(a) tem.

 

Atividade para casa
Durante uma semana, registre uma vez a cada 60 minutos, a primeira vez que seu filho(a) comunicou quando quis ou não quis algo. Por enquanto nós vamos registrar somente parte do dia, tudo bem?

— Elaborar folha de registro, das 8 da manhã até as 18hs – 

Na segunda semana, em vez de registrar o que seu filho faz, você vai criar uma oportunidade para que ele aceite ou rejeite algo, tudo bem? (Para exemplificar, você pode assistir o seguinte vídeo: – https://www.youtube.com/watch?v=AuZfUXgqWag)

Sempre que você perguntar se ele/ela quer algo, você imediatamente vai fornecer uma dica correspondente, tudo bem? 

Na terceira semana, nós vamos continuar criando essas oportunidades, mas sempre que seu filho(a) aceitar ou rejeitar algo de forma independente, você também vai anotar, tudo bem? 

 

Agora vamos contabilizar tudo

Na primeira semana,
quantas vezes seu filho se comunicou de forma adequada?
quantas vezes ele apresentou algum problema de comportamento?


Na segunda semana,
quantas vezes seu filho se comunicou de forma adequada?
quantas vezes ele apresentou algum problema de comportamento?


Na terceira semana,
quantas vezes seu filho se comunicou de forma adequada?
quantas vezes ele apresentou algum problema de comportamento?

 

Se você observou algum progresso com este exercício, é possível que você consiga utilizar esse tipo de estratégia no seu dia a dia. Lembre: É sempre importante observar essas estratégias com o supervisor do seu caso! 

 

Adriano Barboza, Ph.D., BCBA

  • Compartilhar essa materia:
Top