• 7 maio de 2018
  • admin
  • Autismo

A importância do tratamento

Quando chega em nossas vidas um diagnóstico de TEA (Transtorno do Espectro Autista) o que nós, pais, mais queremos saber é: Qual o próximo passo? O que posso fazer para ajudar meu filho? Qual medicamento pode ajudar? Quais os exames fazer? Existem casos de cura? Ele pode piorar ou a tendência é sempre melhorar?
São infinitas perguntas, tão complexas quanto o próprio transtorno.
O fato é que, assim como cada um de nós possui uma impressão digital diferente, diferentes são também os autistas e o grau do espectro em que ocupam.
Ainda não descobriram, apesar de muitas pesquisas, nenhum medicamento para a melhora do autismo em si, mas apenas de alguns dos sintomas.

O que fazer?

Logo, devemos focar no tratamento terapêutico, que precisa ser feito com muita responsabilidade, seriedade, ética e profissionalismo.
Não existe uma “receita de bolo”, a intervenção é individual e personalizada, por isso a avaliação inicial é tão importante, nessa avaliação é criada uma estratégia de tratamento para aquela criança, baseada nos seus gostos, preferências, capacidades e limitações.

Passos importantes

Em primeiro lugar, procure uma equipe de psicólogos especialistas em ABA, com formação reconhecida por uma instituição idônea, assim como um fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional com as especialidades indicadas para atuar com seu filho. Crie uma equipe multidisciplinar bem ajustada e que coloque o desenvolvimento infantil acima de qualquer relação comercial.
No meu caso, como os profissionais não se conheciam, criei um grupo de WhatsApp com todos eles, colocávamos uns pequenos vídeos de algumas sessões de cada profissional. Assim, todos participavam da evolução do meu filho e do que era trabalhado. Nos comunicávamos com mais facilidade e a interação era maior.
Existem comprovações de uma melhora significativa na autonomia, independência, comunicação funcional e diversas outras áreas na vida dos pacientes que se submetem à uma intervenção bem direcionada e consequentemente, de toda a família.
Os pais precisam se cercar de profissionais que realmente ajudem nessa importante missão, sem se esquecerem de que também fazem parte dessa equipe multidisciplinar e que o envolvimento e participação de todos é fundamental para o sucesso das crianças.

 

Michelle Carvalho – mãe do Enzo

 

*O Grupo Conduzir declara que os conceitos e posicionamentos emitidos nos textos publicados refletem a opinião dos autores.

  • Compartilhar essa materia:
Top