• 23 maio de 2018
  • admin
  • Autismo

O que é autismo infantil?

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), ou simplesmente autismo, nada mais é do que um transtorno que leva à uma série de problemas no que diz respeito ao desenvolvimento da fala, processos comunicativos, interação social e etc.
Estima-se que, nos dias de hoje, existam mais de 70 milhões de pessoas no mundo inteiro com algum tipo de autismo. Essa estimativa foi feita pela OMS – Organização Mundial da Saúde. Já no que diz respeito ao Brasil, esse número cai para cerca de 2 milhões.
De acordo com uma pesquisa realizada pelo CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) o autismo pode atingir ambos os sexos e também pode afetar igualmente todas as etnias. No entanto, a ocorrência é cerca de 4,5 vezes maior indivíduos do sexo masculino.

Autismo infantil

O Autismo infantil é um transtorno que não possui cura e as suas causas ainda não são bem conhecidas. No entanto, é sabido e comprovado que o transtorno pode ser bem trabalhado para que haja reabilitação, modificação e tratamento, adequando novamente o paciente ao convívio social da melhor forma possível.
Outro fato conhecido é que quanto antes o diagnóstico for feito, melhor visto que o transtorno afeta a saúde do paciente e também das pessoas ao seu redor, fazendo com que muitas vezes os cuidadores se sintam incapazes de lidar com a situação.

Como identificar o autismo infantil?

O autismo infantil é um transtorno que afeta comumente o desenvolvimento da criança. Isso pode levar ao comprometimento da sua capacidade de lidar com o mundo que a cerca.
Ele é chamado de espectro porque possui diversas variações. Isso faz com que o transtorno possa se manifestar de diferentes maneiras em cada paciente.
Mesmo assim, existem alguns sinais que são mais comuns, aparecendo com uma frequência maior, podendo servir como um indicativo de que deve-se procurar um médico para uma avaliação mais precisa.
No que diz respeito à idade, é mais complicado identificar o TEA em bebês visto que suas capacidades cognitivas ainda não estão bem desenvolvidas ainda. Justamente por isso que esse distúrbio é mais facilmente identificável pelos pais na linguagem corporal de seus filhos.
Mesmo assim, determinados sintomas podem aparecer ainda na primeira infância, como é o caso de bebês mais inquietos, que choram demasiado, não dormem a quantidade esperada de horas ou que só querem colo, independentemente de quem.
Vale lembrar que a criança autista, normalmente, não demonstra muita afeição. Justamente por isso que aceita bem o colo de qualquer pessoa.

Identificando o autismo infantil a partir dos 5 meses

Normalmente, aos 5 meses, os bebês começam a apresentar sinais de alegria, curiosidade e prazer no contato físico com pessoas. Já no autismo infantil, esse tipo de comportamento tende a ser menos frequente e intenso.
Também tendem a não atender a um chamado, não reconhecendo o próprio nome, e demorando mais para interagir. Mais do que isso, à medida que ele cresce, nota-se uma maior dificuldade de falar e, quando isso acontece, tende a falar de si na terceira pessoa.

Identificando o autismo infantil depois do primeiro ano

Uma criança é considerada autista quando demonstra que existe prejuízo em três áreas cognitivas, que são: comunicação, interação e comportamento. Isso é determinado pela Classificação Internacional de Doenças e também pelo Manual Diagnóstico Estatístico de Transtornos Mentais.
Por isso, os pediatras irão realizar uma série de exames. No entanto, no caso de sintomas mais leves, os testes ainda podem ser inconclusivos por não apresentarem alterações significativas.
Por isso, o mais importante é que os pais observem o comportamento da criança de forma atenta, no dia a dia. Ao completarem 18 meses, é possível realizar um exame de triagem que se chama M-CHAT, que avalia 23 questões relativas ao comportamento.
Já depois dos dois anos de idade, os sintomas já se tornam bem característicos, não havendo muita dificuldade na identificação do autismo infantil.

 

*O Grupo Conduzir declara que os conceitos e posicionamentos emitidos nos textos publicados refletem a opinião dos autores.

  • Compartilhar essa materia:
Top